Contactos

DOMOFORTE Soluções em Iluminação Natural

  • Pessoa de contato: Equipe Domoforte
  • Telefone: +55 (19) 3326-65-76
  • +55 (19) 99609-54-74
  • Skype: domoforte
  • Endereço postal: r.s carlos silva 321, Campinas, São Paulo, 13095-210, Brasil

Horário de funcionamento

Renovações do site

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PASSA PELA INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO NATURAL

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PASSA PELA INSOLAÇÃO E ILUMINAÇÃO NATURAL

23/11/16

O que é uma construção sustentável?
Construção Sustentável é um sistema construtivo que promove alterações conscientes no entorno, de forma a atender as necessidades de edificação e uso do homem moderno, preservando o meio ambiente e os recursos naturais, garantindo qualidade de vida para as gerações atuais e futuras.

Qual é o conceito de sustentabilidade aplicado na construção de casas?
Para uma obra ser considerada sustentável, ela deve causar o menor impacto sobre o meio ambiente e a saúde de seus ocupantes. Esta é a linha-mestra.

Como deve ser uma casa considerada sustentável?
Há nove passos principais para uma construção sustentável, que podem ser listados da seguinte maneira:

  1. Planejamento Sustentável da Obra
  2. Aproveitamento passivo dos recursos naturais
  3. Eficiência energética
  4. Gestão e economia da água
  5. Gestão dos resíduos na edificação
  6. Qualidade do ar e do ambiente interior
  7. Conforto termo-acústico
  8. Uso racional de materiais
  9. Uso de produtos e tecnologias ambientalmente amigáveis
    No entanto, nem sempre é possível atender a todos estes passos, em função de custos e desconhecimento de metodologia, materiais e tecnologias.

Qual a diferença entre materiais ecológicos e sustentáveis?
A diferença principal está na origem da matéria-prima e no processo de fabricação. O termo ‘produto ecológico’ surgiu pela primeira vez em 1978, na Alemanha, e referia-se então a artigos de origem agrícola (depois chamados de ‘orgânicos’). Posteriormente, serviu para identificar materiais fabricados que: a) fossem produzidos com matérias-primas naturais renováveis (vegetais) ou não renováveis (como a terra, que é natural, mas ‘não nasce de novo’, podendo, contudo, ser reutilizada ou até mesmo reabsorvida); b) materiais de extração local ou próximos dos locais de uso – exs.: blocos de terra (adobes); coberturas de madeira cortada (taubilha) etc.; c) materiais com pequeno dispêndio de energia para sua obtenção, transformação e beneficiamento. Em geral –e isso vai na direção de um senso comum generalizado-, produtos ecológicos são fabricados no local de uso, de forma artesanal ou semi-artesanal. Materiais sustentáveis, por sua vez, são aqueles que aportam benefícios para toda construção, entorno e meio ambiente, sem, no entanto, serem necessariamente naturais. São fabricados em escala industrial. Exemplos: tintas minerais; materiais reciclados; painéis solares fotovoltaicos, tubulações isentas de PVC ou recicladas, dentre outros.

É caro construir uma casa sustentável utilizando este material?
Sim e não. Primeiro o “não”: basta o cliente adequar sua realidade financeira ao que pretende em termos de obra sustentável, ou seja, é importante, antes de começar a construir, fazer um estudo de viabilidade econômica da obra sustentável. Se o cliente não fizer isso, ele corre o risco de ter seu ‘pay-back’ (retorno financeiro) só depois de 50 anos! Ora, sustentabilidade é um tripé que envolve economia, ecologia e ganho social. Um projeto que não contemple isso, já perde, de saída, parte de seu viés sustentável.

Isso significa que nem sempre se poderá ter uma casa de alto padrão ou com soluções prontas, na forma de produtos que possam ser adquiridos no mercado. Às vezes, será preciso lançar mão de criatividade e até mesmo de soluções caseiras ou artesanais que reduzam custos, mas que permitam uma abordagem ‘eco’ da edificação. Exemplos: Usar garrafas PET transparentes com água clorada no telhado da casa, para iluminação natural; fazer pisos de cimento CP III ‘queimado’; usar pneus como elemento estrutural de muros de arrimo, e por aí vai.

Agora, o “Sim”. Não há um modelo único de construção sustentável. Cada caso é um caso, e é preciso avaliar uma série de interfaces –como perfil do cliente, local de implantação da obra, solo, clima, umidade relativa do ar, temperatura, vegetação e ecossistema no qual se está inserido, materiais disponíveis na região etc.– antes de se definir a obra. Nunca se sai escolhendo um material ou fazendo um projeto de acordo com a idéia do cliente ou do arquiteto. O que conta é a somatória de todos estes elementos, que formarão o conjunto de ações que resultarão na obra sustentável.
Podemos dizer com certeza que, quanto mais sustentável uma edificação, a tendência é que seu custo de implantação aumente. Principalmente se não houver um planejamento muito bem feito desde o início e se este planejamento não for obedecido. O que mais custa numa obra sustentável são as tecnologias sustentáveis, para uso e conservação de água e energia, e itens de acabamento e interiores. Deve-se considerar, também, que a mão-de-obra tenha que receber treinamento especial para aplicação de materiais. Lembro que um dos setores mais conservadores da economia no Brasil e no mundo é o da construção civil. Isso significa que há dificuldades em se introduzir novos métodos e materiais; é a chamada barreira cultural. Quebrar isso também tem um preço, que deve ser considerado por quem vai iniciar uma obra sustentável ou eco-reforma.

Fonte: Site Planeta Sustentável.

Fonte: SITE PLANETA SAUDÁVEL

Artigos anteriores
BANDEIRA AMARELA Custo da Energia gera aproveitamento da Luz Natural
BANDEIRA AMARELA Custo da Energia gera aproveitamento da Luz Natural

22/11/16

LUZ NATURAL fonte primária para iluminação interna
COMO SEPARAR O LIXO DOMÉSTICO
COMO SEPARAR O LIXO DOMÉSTICO

26/06/16

A reciclagem retira do lixo vários materiais que levariam muito tempo para se decompor no meio ambiente. O plástico, por exemplo, leva 450 anos e o vidro até um milhão de anos. Infelizmente,a maior parte dos resíduos domésticos vão parar em lixões a céu aberto ou em aterros sanitários cuja capacidade máxima já está próxima do limite, por isso a importância de separar o lixo para reciclagem.
TINTA TÉRMICA
TINTA TÉRMICA

25/06/16

Tinta térmica pode substituir ar condicionado Os telhados revestidos com o material reduzem em até 60% o consumo de energia elétrica utilizado para refrigeração.A tinta custa metade do preço do poliuretano, usado em outros sistemas tradicionais.